10 abr
2014

Exercício: A retomada do planejamento governamental no Brasil e seus desafios

 EXERCÍCIO – RETOMADA DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL NO BRASIL

Texto : Pares, A & Valle, B. A retomada do planejamento governamental no Brasil e seus desafios In: Giacomoni, J; Pagnussat, J. Planejamento e Orçamento Governamental (Coletânea, vol. 1). Brasília, ENAP, 2006. (cap. 3)

Questões:

  1. Que novas abordagens o modelo de planejamento adotado pela CF 1988 trouxe, em relação à experiência anterior?
  2. Que processos políticos e econômicos contribuíram para essas mudanças no modelo de planejamento governamental?
  3. A implantação do PPA, nos anos 1990, funcionou como instrumento de transformação do Estado Brasileiro em que direção?
  4. O novo modelo ampliou a capacidade de planejamento em longo prazo? Por quê?
  5. De que maneira o Legislativo, Judiciário e a burocracia estatal beneficiam-se do novo modelo?
  6. O novo modelo permite a expansão da participação cidadã nos processos de planejamento governamental?
  7. Que limites o sistema político brasileiro impõe, na prática, ao modelo de planejamento pós-1988?

 

Deve ser entregue na próxima aula (24/5). Pode ser feito em grupos de até 4 alunos.

Aproveitem para entrar no site do PPA (http://www.planejamento.gov.br/ministerio.asp?index=10&ler=s1086). Naveguem por ele e vejam os materiais sobre o PPA atual e os anteriores, como preparação para o exercício que faremos na próxima aula. Leiam também os dois textos indicados na bibliografia.

 

1 abr
2014

Planejamento e Orçamento em Políticas Públicas – Programa 2014/1

Clique aqui para ver o programa da disciplina: Plano de Ensino P&OPP 2014-2

Locais de aula:

Matutino – Unicid – sala 406

Noturno – Poli-Mecânica – sala A09

Esta disciplina está sendo oferecida fora do campus da EACH, que está interditado por conta dos problemas ambientais conhecidos. Faremos o possível, dentro desta limitação, causada pela incapacidade das instâncias diretivas da universidade, ao longo de quase dez anos, para lidar com o problema.

25 mar
2014

Projeto Circuitos Desurbanísticos Paulistanos

Oportunidade de bolsa para alunos: Projeto Circuitos Desurbanísticos Paulistanos.

O projeto tem duas vagas abertas no edital Aprender Com Cultura e Extensão.

O projeto objetiva promover a reflexão pública sobre a gestão do espaço urbano da cidade de São Paulo. Pretende fazer com que cidadãos de São Paulo possam ter contato com reflexões sobre a gestão dos espaços urbanos e construir suas próprias reflexões.

Para isso, o projeto deverá registrar situações críticas da gestão do espaço urbano da cidade, assim como  possibilidades de superação dos desafios apontados, combinando estudos de campo com visitas aos circuitos e pesquisa e debate junto a atores-chave da gestão urbana.

CLIQUE AQUI PARA  A PROPOSTA DO PROJETO: projeto-circuitos-2014
Inscriçòes até 14 de maio em http://prceu.usp.br/aprender/comunicados/#post-53

 

25 fev
2014

WTranS 2014 – II Workshop de Transparência em Sistemas

Chamada de Trabalhos – WTranS 2014 – II Workshop de Transparência em Sistemas

Datas importantes:

• Submissão de Trabalhos: 16/03/2014
• Divulgação de Resultados: 14/04/2014
• Versões Finais: 21/04/2014

Recentes movimentos sociais registram uma forte tendência na necessidade de consideração explícita da informação aberta em sistemas que são de interesse do cidadão. Essa abertura no sentido de acesso a informação é um tema central no estudo do conceito de Transparência.
A recente lei de acesso à informação brasileira é um reflexo desse movimento e traz uma série de desafios para a evolução de sistemas que precisam lidar com informação aberta. Esses desafios estão presentes em diversas áreas de interesse de pesquisa, com forte impacto na construção de sistemas que venham a lidar com essa nova demanda.
Dados abertos, usabilidade orientada ao cidadão, acessibilidade, apresentação de informação, proveniência da informação e confiança na informação são algumas das novas necessidades que os sistemas terão que atender.
Discuti-los num contexto de software, que apoiarão os referidos sistemas, é importante para que se possa ter uma visão interdisciplinar para um desafio de tal magnitude. O desafio aplica-se tanto no uso de sistemas para prover transparência, como na própria arquitetura dos sistemas que devem ser transparentes.
O objetivo desse workshop é procurar agregar diferentes pesquisadores com interesse tanto em Ciência da Computação, como em outras áreas, no sentido de discutir como tratar os referidos desafios, para nortear a criação de tecnologias que deem efetivo apoio na evolução de sistemas na direção da transparência.
Iniciar o workshop na comunidade de engenharia de software é uma proposta proativa. À medida que o mercado pressionar por mais transparência nas informações e nos processos executados, tanto por órgãos públicos como por organizações privadas, o profissional de sistemas e, particularmente, o desenvolvedor de software, terão que lidar com diferentes requisitos não funcionais.
Discutir sob a ótica de pesquisa como lidar com esses novos desafios é o objetivo central do Workshop de Transparência em Sistemas (WtranS).

Tópicos de Interesse do WTranS 2014

• Processos de avaliação de Transparência
• Gestão da Transparência
• Organização de Conhecimento de Transparência
• Transparência como requisito não funcional
• Arquiteturas para suporte à Transparência de Software
• Transparência na esfera pública – Dados Abertos
• Transparência em processos de software
• Transparência em processos organizacionais
• Transparência da informação
• Transparência de software
• Transparência em sistemas de informação
• Transparência no contexto da Lei de Acesso a Informação
• Proveniência em Transparência de Software e Processos Organizacionais

Submissão ao WTranS 2014

A submissão ao WTranS deve ser feita por meio de um artigo descrevendo o trabalho atual do grupo ou do pesquisador. Os artigos devem reportar trabalhos originais que não foram submetidos ou apresentados em outros fóruns.
Os artigos devem seguir o estilo de formatação dos eventos da SBC (disponível no portal da SBC), e ter entre 4 e 6 páginas. As contribuições devem descrever novas pesquisas e estarem relacionadas ao tema Transparência. As submissões devem seguir a seguinte estrutura:

• Título, autor(es), resumo
• Seção 1: Introdução
• Seção 2: Objetivos da Pesquisa
• Seção 3: Contribuições Esperadas
• Seção 4: Resultados já Alcançados
• Seção 5: Conclusão
• Seção 6: Referências

A submissão deve ser feita no formato PDF, através da trilha “SBSI 2014 – WtranS 2014″ do Sistema JEMS da SBC.
Serão desconsideradas as submissões em formato diferente de PDF, que excedam o número de páginas ou violem as instruções de formatação.

Apresentação e Publicação

Os artigos aceitos serão publicados nos anais do SBSI, condicionados à inscrição de pelo menos um dos autores no evento.
As apresentações serão de 15 minutos, seguidas de 10 minutos de discussão.
Os artigos aceitos serão disponibilizados de forma aberta em um repositório (biblioteca digital), WTransSArtigos, nos moldes das bibliotecas já disponíveis: WERPapers (wer.inf.puc-rio.br), CibsePapers (cibse.inf.puc-rio.br) e FEESArtigos (fees.inf.puc-rio.br).

21 jan
2014

Tendências e Inovações na Gestão Pública – 2013 – NOTAS

Apesar de toda a situação lamentável em que nos vimos enfiados pelo descaso e  irresponsabilidade da Reitoria, da SEF e da direção da EACH, conseguimos completar o semestre.

Infelizmente, não foi possível fazer tudo da forma como foi pensado, mas fizemos o que pudemos.

Por conta de toda a confusão, o último grupo não fez o debate em sala, mas gravou em vídeo. Por favor, assistam, como última atividade da disciplina, mas não é preciso elaborar as perguntas: http://www.youtube.com/watch?v=5SaFjGZ30o4

Cliquem aqui para ter acesso às notas.

Muito obrigado pela ajuda de vocês neste semestre tão conturbado.

 

 

 

 

23 dez
2013

Tendências e inovações na Gestão Pública – Ex. Reposição 2

TEXTO 1

LIMA, D.H. e VARGAS, E.R. Estudos internacionais sobre inovação no setor público: como a
teoria da inovação em serviços pode contribuir? In: RAP – Revista de Administração Pública v.46(2):385-401,
mar./abr. 2012

Questões

  1. Em que contexto surgem os estudos de inovação e qual a sua relação com o setor de serviços ? Apresente e comente os seis modos como pode ocorrer o processo de inovação.

  1. Da perspectiva mais teórica qual o papel exercido nas pesquisas sobre inovação pelas quatro teorias apresentadas pelos autores: Teoria do Estado competidor, Teoria da Administração Pública, Teoria da Inovação em Serviços e Teoria do Empreendedorismo Público ou Social?

TEXTO 2

BRANDÃO, S.M. e BRUNO-FARIA, M.F. Inovação no setor público: análise da produção científica em
periódicos nacionais e internacionais da área de administração. In: RAP – Revista de Administração Pública v.47(1):227-248,
jan./fev. 2013

Questões

  1. Quais as diferenças e em que se assemelha a definição de inovação para setor público e o setor privado?

  1. No que os tipos de inovação estudados no setor público diferenciam-se dos estudados no setor privado?

As respostas devem ser enviadas para o e-mail tendinov@vaz.blog.br até o dia 10 de janeiro.

 

19 dez
2013

Tendências e Inovações na Gestão Pública – Finalização do semestre 2013/2

Devido ao caos que se instaurou na EACH, fruto do descaso da reitoria e da direção, tivemos que alterar o calendário da disciplina. Seguem abaixo as instruções para a finalização.

Os trabalhos e provas desta disciplina (Tendências e Inovações na Gestão Pública) deverão ser enviados por e-mail para o endereço tendinov@vaz.blog.br. Por favor, MANDEM APENAS PARA ESTE E-MAIL, para facilitar o trabalho de organização.

As tarefas dos alunos são:

a) Prova

Deverá ser feita individualmente e enviada por e-mail dia 28/12/2013.

Clique aqui para fazer download da prova.

b) Trabalho de campoEsse é o trabalho de entrevista com gestores que deveria ter sido entregue em 17/12. Por favor, encaminhem até o dia 20/12.c) Relatórios dos debates
Devem ser entregues até o dia 28/2, para os grupos que não entregaram ainda.
d) Exercícios de reposiçãoTrata-se dos exercícios não presenciais para reposição de aulas. Devem ser enviados até 10/01.

Exercício de reposição 1 – Ambientes Inovadores nas Organizações Públicas (clique para acessar)

Exercício de reposição 2 - Inovação no Setor Público: Perspectivas Teóricas

ENVIO DOS MATERIAIS

Os trabalhos e provas desta disciplina deverão ser enviados por e-mail para o endereço tendinov@vaz.blog.br. Por favor, MANDEM APENAS PARA ESTE E-MAIL, para facilitar o trabalho de organização.

Se todo mundo mandar os trabalhos com o título TRABALHO-VAZ vai dificultar a correção. Portanto, sigam o seguinte formato para os NOMES dos arquios que enviarem:

[TIPO DE AVALIAÇÃO]-[NOME DO ALUNO]-[PERIODO]

Exemplos:

PROVA-JOAO-RODAS-MAT  refere-se à prova do aluno João Rodas, do matutino.

INDICADORES-JJBOUERI-MAT refere-se ao trabalho de indicadores do grupo do aluno J.J. Boueri, do matutino.

TRABFINAL-ANTONIO-MASSOLA-NOT refere-se ao trabalho final do grupo do aluno Antonio Massola, do noturno

EXREPOSICAO-1-EDSON-LEITE-NOT refere-se ao exercício de reposição 1 do grupo do aluno Edson Leite, do noturno.

EXREPOSICAO-2-SUELY-VILELA-MAT refere-se ao exercício de reposição 2 do grupo da aluna Suely Vilela, do matutino.

Usem o mesmo nome do arquivo no campo de assunto da mensagem, por favor. E mandem apenas um arquivo por mensagem.

18 dez
2013

Finalização do semestre 2013/2 – Logística

Devido à vergonhosa situaçào das instalações da EACH, tivemos que alterar o calendário da disciplina. Seguem abaixo as instruções para a finalização.

Os trabalhos e provas desta disciplina (Logística) deverão ser enviados por e-mail para o endereço logistica@vaz.blog.br. Por favor, MANDEM APENAS PARA ESTE E-MAIL, para facilitar o trabalho de organização.

As tarefas dos alunos são:

a) Prova

Deverá ser feita individualmente e enviada por e-mail dia 28/12/2013.

logistica-prova-2013 (odt)

logistica-prova-2013 (docx) – pode desconfigurar

b) Trabalho de campo

Esse é o trabalho de solução dos problemas logísticos que deveria ter sido entregue em 17/12. Por favor, encaminhem até o dia 20/12.

c) Exercícios cuja data havia sido postergada

São os exercícios sobre indicadores e sobre tercerização.

Devem ser encaminhados até o dia 10/01.

d) Exercícios de reposição

Trata-se dos exercícios não presenciais para reposição de aulas. Devem ser enviados até 10/01.

Clique aqui para ver as instruções.

ENVIO DOS MATERIAIS

Os trabalhos e provas desta disciplina (Logística) deverão ser enviados por e-mail para o endereço logistica@vaz.blog.br. Por favor, MANDEM APENAS PARA ESTE E-MAIL, para facilitar o trabalho de organização.

Se todo mundo mandar os trabalhos com o título TRABALHO-VAZ vai dificultar a correção. Portanto, sigam o seguinte formato para os NOMES dos arquios que enviarem:

[TIPO DE AVALIAÇÃO]-[NOME DO ALUNO]-[PERIODO]

Exemplos:

PROVA-JOAO-RODAS-MAT  refere-se à prova do aluno João Rodas, do matutino.

INDICADORES-JJBOUERI-MAT refere-se ao trabalho de indicadores do grupo do aluno J.J. Boueri, do matutino.

TRABFINAL-ANTONIO-MASSOLA-NOT refere-se ao trabalho final do grupo do aluno Antonio Massola, do noturno

EXREPOSICAO-1-EDSON-LEITE-NOT refere-se ao exercício de reposição 1 do grupo do aluno Edson Leite, do noturno.

EXREPOSICAO-2-SUELY-VILELA-MAT refere-se ao exercício de reposição 2 do grupo da aluna Suely Vilela, do matutino.

Usem o mesmo nome do arquivo no campo de assunto da mensagem, por favor. E mandem apenas um arquivo por mensagem.

18 dez
2013

Logística – Exercícios de reposição – 2013

Os exercícios abaixos serão usados como reposição não presencial das aulas impedidas de serem ministradas pelas condições impróprias do campus da EACH.

Podem ser feitos em grupos de até 4 pessoas. Deverão ser enviados até o dia 10/1/2014 para o endereço logistica@vaz.blog.br

Exercício 1 – Mobilidade urbana – indicadores de qualidade do serviço público

Visitem a página de transparência da Secretaria Municipal de Transportes de São Paulo. Clique para fazer download dos Indicadores de desempenho Relativos à Qualidade dos Serviços de Públicos.  O trabalho apresenta oito indicadores de desempenho utilizados para avaliar o transporte público no período 2009-2012.

Na opinião de vocês, esses indicadores são adequados? Por quê? Vocês teriam outros para sugerir?

Exercício 2 – Mobilidade urbana – Faixas exclusivas de ônibus

Como resposta às demandas por melhorias imediatas no transporte público, a prefeitura implantou dezenas de quilômetros de faixas exclusivas para ônibus. Trata-se da Meta 77 – Implantar 150 km de faixas exclusivas de ônibus, do Programa de Metas da cidade. A medida tem gerado muita polêmica. Taxistas querem tirar proveito das faixas de ônibus para circular mais rápido. Outras categorias também.  Motoristas de carros particulares sentem-se prejudicados pelas faixas livres para os ônibus circularem, enquanto ficam parados no congestionamento. Pesquisem o assunto e respondam as questões:

a) O uso de faixas exclusivas de ônibus traz quais benefícios para a cidade?

b) Qual o sentido de se retirar faixas de circulação e estacionamento de automóveis e entregá-las ao transporte público?

c) Quais são as limitações da iniciativa?

d) Se vocês fossem os prefeitos, teriam tomado essa medida?

 

 

12 dez
2013

Hiato: Escancarando o racismo e o preconceito no Brasil

Nos últimos tempos, um fenômeno tem provocado pavor e repulsa na classe média frequentadora de shopping centers. São os rolezinhos, eventos em que dezenas ou centenas de jovens pobres combinam encontrar-se no mesmo shopping center. Clique aqui para ver artigo a respeito, de Leonardo Sakamoto.

Na verdade, esse tipo de medida de resistência contra a discriminação não é novo. Em 2000, um grupo de manifestantes ligados a movimentos de sem-teto fizeram uma visita surpresa ao Shopping Center Rio Sul, no Rio de Janeiro. O shopping center, situado na Zona Sul carioca, tem uma clientela de renda média e alta, bastante diferente dos manifestantes.

Sete anos depois, Vladimir Seixas dirigiu o documentário “Hiato“, que combinou imagens do fato, entrevistas feitas com os manifestantes e com pesquisadores.

Como o título antecipa, o documentário escancara o preconceito e o racismo dirigido contra os pobres e contra os negros no Brasil.

A grande virtude do documentário (e, obviamente, da manifestação), é ter evidenciado e registrado essa atitude racista e preconceituosa no templo da sociedade baseada no consumo, o shopping center. Ações aparentemente banais e desprovidas de significado político, como experimentar um sapato, fazer uma refeição na praça de alimentação, ou verificar os preços de uma peça de roupa, mudam totalmente de significado quando quem as realiza não é uma pessoa branca, de classe média, vestida com roupas de grife. De ato corriqueiro, vira ameaça à ordem que chega a mobilizar o efetivo policial para reprimi-la.

O filme deixa evidente, também, o peso da desigualdade na sociedade brasileira. Como garantir real inclusão social e aprofundar a democracia, se vivemos em uma sociedade tão desigual?

Vale a pena assistir. Dura menos de vinte minutos.

19 nov
2013

Desenvolvimento Local e Políticas Territoriais

Gerhard Richter - Gartenarbeit I (1966)

Gerhard Richter – Gartenarbeit I (1966)

¨ O desenvolvimento local no Brasil parece um daqueles romances mal escritos em que os personagens vão sumindo no meio do caminho. Tipos diferentes de iniciativas sucedem-se, experiências são iniciadas e desaparecem. Algumas vezes as experiências permanecem, mas seus nomes e seus significados são  alterados. Ao fim há sempre a impressão de que tudo foi tentado e nada frutificou.”

Assim se inicia o artigo Desenvolvimento Local e Políticas Territoriais, que escrevi com Eduardo L. Caldas e foi apresentado no EnAPG – Encontro de Administração Pública e Governança, da ANPAD, em 2006 (1).

O  artigo descreve, analisa e reflete sobre a articulação (1976-1988), desarticulação (1989-2000), e necessidade de rearticulação das políticas públicas locais
territorializadas com um projeto local de desenvolvimento.

No trabalho procuramos refletir sobre os sentidos da evolução das práticas inovadoras nas políticas de desenvolvimento local,  mostrando como um ambiente fervilhante de inovação foi substituído por uma gestão municipal que se vê obrigada a assumir a gestão da crise gerada pelo modelo econômico implantado pelas reformas de cunho “neoliberal” nos anos 1990. Ao invés da busca de práticas inovadoras e contra-hegemônicas, os governos municipais tentam criar empregos e estimular um desenvolvimento econômico baseado em um modelo que se esgota que não encontra suporte dos governos federal e estaduais.

O texto limita não analisa fenômenos posteriores, notadamente a substituição do dinamismo e do experimentalismo difuso dos governos municipais por uma ativismo do governo federal na formulaçào de políticas públicas de alto impacto no nível local. Nesse novo contexto, que se consolida a partir da segunda metade da década de 2000, o governo federal assume um forte papel de indução e normatização da políticas públicas, como aponta Marta Farah (2).  Aos municípios inovadores dos anos anteriores sobrepõem-se os municípios que orientam suas ações pelas políticas e investimentos do governo federal, praticamente retirando de sua agenda a formulação e implementação de um projeto de desenvolvimento local mais autônomo. Como o texto demonstra, esse caminho já vinha sendo preparado desde antes.

CLIQUE AQUI PARA FAZER DOWNLOAD DO ARTIGO

 

(1) VAZ, J.C. e CALDAS, E. l. Desenvolvimento local e políticas territoriais. Anais do EnAPG – Encontro de Administração Pública e Governança da ANPAD. São Paulo,  2006.

(2) FARAH, Marta Ferreira Santos. Políticas públias e municípios: inovação ou adesão? In: LUKIC, Melina Rocha e TOMAZINI, Carla (org.). As ideias também importam: abordagem cognitiva e politicas publicas no Brasil. Curitiba: Editora Juruá, 2013. p. 171-193.

12 nov
2013

Exercício – CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS

Para a próxima aula, abordaremos a temática da contratação de serviços terceirizados e faremos em sala um exercício que requererá preparação extra-classe. Será preciso consultar alguns websites para chegarem preparados para realizar o exercício.
Para ler o texto de referência para a aula, clique aqui.
Para preparar-se para o exercício, clique aqui.

29 out
2013

Calendário de reposição e fechamento do semestre

Os programas das disciplinas deste semestre foram revistos para dar conta da reposição de aulas devido à greve.

No novo calendário, todo o conteúdo original foi mantido, mas a dinâmica de algumas aulas, especialmente de apresentação e debate de trabalhos, foi alterada.

Veja abaixo os novos programas

Logística

Tendências e Inovações na Gestão Pública

 

Na próxima aula, dia 5/11, poderemos discutir eventuais acertos no calendário.

9 out
2013

VII Congresso do Consad – Submissão de trabalhos aberta

Estão abertas, até 15/11/2013, as submissões de propostas de painéis e trabalhos avulsos para o VII Congresso do Consad.

Trata-se do mais importante encontro de gestores públicos, pesquisadores, técnicos e profissionais de gestão pública do Brasil.

É uma ótima oportunidade para apresentar trabalhos, especialmente estudos de caso e trabalhos comparativos, além de análises de aspectos relevantes da gestão pública atual.

Mais informações em http://consadnacional.org.br/eventos/congressos/

24 set
2013

A greve na EACH-USP: posicionamento dos coordenadores de graduação e pós-graduação e presidentes de comissões

Posicionamento público de coordenadores de cursos
e presidentes de comissões estatutárias da EACH

A Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo vive agora, sem nenhuma dúvida, a mais grave crise de sua história de quase uma década. Nós, coordenadores  de cursos de graduação e pós-graduação, presidentes e vice-presidentes de comissões  estatutárias, não podemos silenciar timidamente diante da situação, sob pena de faltarmos de maneira irreparável com nossos deveres funcionais e éticos. Como responsáveis pela  administração direta da maior parte das atividades-fins da EACH, não podemos nos furtar a explicitar as causas desta crise e a exigir das outras esferas administrativas da Universidade os encaminhamentos necessários para a sua solução, e não para seu agravamento.
Na qualidade de participantes do processo administrativo, investidos de obrigações específicas, vimos a público informar que o exercício das nossas funções está praticamente impossibilitado diante do silêncio de outros agentes da administração e de sua morosidade lamentável em oferecer respostas aos problemas que geraram a crise. Independentemente de nossas posições pessoais, incluindo o exercício do direito de greve que também nos assiste,  contam-se entre essas obrigações a responsabilidade para com o bom andamento dos cursos de graduação e pós-graduação, atividades de pesquisa e extensão; o zelo para com as condições de saúde de milhares de estudantes e centenas de professores, funcionários e  participantes de atividades de extensão; o cumprimento de prazos que, se não observados ou formalmente estendidos, podem gerar prejuízos irreparáveis aos interessados; a aprovação de  solicitações de estágios, projetos de pesquisa e extensão, intercâmbios internacionais, licenças   afastamentos; defesas de dissertações; prestações de contas diversas; aplicação de  verbas que estão em risco de se perder; submissão de projetos a editais com prazos  eterminados e muito mais.
Se toda a administração da Universidade de São Paulo não assumir seu dever de colaborar com rapidez e transparência para a superação deste momento crítico, o cumprimento de nossas  obrigações se tornará completamente impossível. É evidente que a colaboração que  exigimos de todas as outras esferas administrativas da USP se refere ao oferecimento de respostas às graves causas que deflagraram a crise, e não o silenciamento daqueles que as  apontam. Sendo assim, devemos deixar completamente claro que o desempenho efetivo das  obrigações que a comunidade e a administração universitárias nos confiaram demandam que, no mínimo, os seguintes pontos sejam encaminhados sem mais demora ou desinformação (e as  autoridades devem estar cientes de sua responsabilidade civil pelos prejuízos que causarem):
1. A questão ambiental da EACH pede esclarecimentos definitivos, oficiais e diretos, e não afirmações parciais, notas à imprensa ou pronunciamentos que não se baseiem em análises cuidadosas de documentos. É fato público e notório que diversos tipos de contaminação  assolam nosso terreno, mas não podemos mais tolerar a ausência de informação clara sobre os níveis de risco (que devem estar dentro dos limites legais) e mecanismos de contenção,  controle e remediação. É fundamental que a USP ofereça a totalidade da documentação que possui sobre o assunto e que garanta oficialmente a existência de condições de operação, sem as quais não poderemos, em hipótese alguma, desempenhar nossas atividades a contento, e muito menos concordar com a exposição da comunidade a riscos à saúde humana potencialmente perigosos. Se existem no terreno regiões de contaminação recente, áreas não completamente avaliadas, também é obrigação da Universidade tomar todas as medidas necessárias para proteger a comunidade de perigos ainda não dimensionados, mesmo que isso implique a interdição parcial ou total de operações, sendo sua responsabilidade o  ferecimento de alternativas no caso extremo. Como agentes públicos, temos também o dever de exigir que toda e qualquer irregularidade passada e presente, seja qual for seu grau, natureza ou autoria, seja atribuída aos responsáveis, através dos devidos mecanismos processuais (incluindo o descumprimento das exigências da Licença Ambiental de Operação de novembro de 2012, que é por si só, obviamente, uma irregularidade flagrante e atual). A inexistência de garantias definitivas de segurança ou, em sua ausência, de alternativas, a indisponibilidade de toda a informação possível e a falta de responsabilização legal impedem irremediavelmente que as atribuições de toda a comunidade – e as nossas, particularmente – possam ser desempenhadas.
2. A erosão completa da governança da EACH exige medidas imediatas. A Congregação deve se reunir em condições legais com a urgência que o momento demanda, sendo inadmissível ainda não ter sido convocada, mesmo após solicitações explícitas de membros e da  comunidade em geral. Todos os atos da Congregação, sejam deliberativos ou de  recomendação, devem ser tratados com a devida gravidade, sob pena de aprofundamento irremediável da crise. Nesse sentido, as Portarias EACH 29/13, de 16.09.2013, e 30/13, 31/13, 34/13 e 35/13, de 17.09.2013, deflagrando o processo eleitoral interno, devem ser inequivocamente apontadas como temerárias e extemporâneas, pois, mesmo operando dentro da legalidade, só contribuem justamente para esse aprofundamento da crise de governança, cuja existência afeta diretamente o desempenho das nossas obrigações. É mister, portanto, que sejam imediata e incondicionalmente revogadas. Ademais, é função da Congregação reunida tomar posição sobre todos os aspectos do momento que enfrentamos, prestar contas e participar ativamente do processo de transição administrativa que a EACH deve iniciar por vias democráticas e pacificadoras, e não provocativas e danosas ao tecido institucional já tão esgarçado, como são todas aquelas tomadas sem diálogo e respaldo da comunidade. Assim, é nossa exigência a convocação imediata da Congregação, a fim de que a mesma possa, como órgão administrativo superior da Unidade, assumir sua responsabilidade de indicar caminhos para a retomada da governança na EACH a curto prazo e garantir, a médio, que nossa  estrutura seja reformada no que for necessário.
Subscrevem a esta carta, em ordem alfabética,
ALEX A. FLORINDO – Vice-Presidente da Comissão de Pesquisa
CASSIO M. MEIRA JR. – Coordenador do Curso de Educação Física e Saúde
CECÍLIA OLIVIERI – Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas
CLÁUDIA REGINA GARCIA VICENTINI – Coordenadora do Curso de Bacharelado em Têxtil e Moda
FLÁVIA MORI SARTI – Presidente da Comissão de Pós-Graduação e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Modelagem de Sistemas Complexos
FÁTIMA L. S. NUNES – Vice-Presidente da Comissão de Pós-Graduação e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação
GRAZIELA SERRONI PEROSA – Coordenadora do Ciclo Básico
HOMERO FONSECA FILHO – Coordenador do Curso de Gestão Ambiental
JAIME CROZATTI – Coordenador do Curso de Gestão de Políticas Públicas
JOSMAR ANDRADE – Coordenador do Curso de Bacharelado em Marketing
LUIS C. SCHIESARI – Presidente da Comissão de Pesquisa
LUIZ GONZAGA GODÓI TRIGO – Presidente da Comissão de Graduação e Coordenador do Curso de Lazer e Turismo
MARCELO ANTUNES NOLASCO – Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade
NORTON TREVISAN ROMAN – Coordenador em exercício do Ciclo Básico
NÁDIA ZANON NARCHI – Coordenadora do Curso de Obstetrícia
PATRÍCIA RUFINO OLIVEIRA – Coordenadora do Curso de Sistemas de Informação
REGINA APARECIDA SANCHES – Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Têxtil e Moda
ROGÉRIO MONTEIRO DE SIQUEIRA – Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais
ROSA Y. S. CHUBACI – Coordenadora do Curso de Gerontologia
ROSELY A. L. IMBERNON – Presidente da Comissão de Cultura e Extensão
SÍLVIA HELENA ZANIRATO – Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Mudança Social e Participação Política
THOMÁS A. S. HADDAD – Coordenador do Curso de Licenciatura em Ciências da  Natureza

16 ago
2013

Temas para debates – ACH3687 – Tendências e Inovações na Gestão Pública

Vejam abaixo a lista de temas sugeridos para a realização das aulas-debate na disciplina ACH3687 – Tendências e Inovações na Gestão Pública.

Esta lista é de sugestão, apenas. Caso os alunos tenham outras ideias, poderão propô-las.

Por favor, coloquem suas preferências em comentários a este post. Indiquem o tema, os participantes do grupo (indicando quem será a favor e quem será contra). Informem também se a proposta é debater o tema em geral ou em aspectos específicos. Lembrem que é preciso haver debate: ninguém será contra a desburocratização, por exemplo, mas pode-se debater diferentes alternativas de promovê-la.

Indiquem também em que aula gostariam de realizar o debate.

Em função das manifestações de interesse dos alunos, na próxima aula montaremos a agenda final.  Eventualmente, suas preferências podem não vir a ser atendidas, mas faremos o possível.

Lista de temas:

  • Consórcios públicos
  • Terceirização de prestação de serviços (Organizações sociais etc.)

  • Contratualização de serviços públicos

  • Privatizações e PPPs.
  • Flexibilização de compras e contratações – RDD – Regime diferenciado de contratações públicas

  • Uso de ferramentas de redes sociais para comunicação com cidadãos

  • Gestão do conhecimento no setor público
  • Grandes volumes de dados (Big data, data mining, business inteligence)

  • Políticas afirmativas de acesso ao serviço público e meritocracia
  • Programas de sustentabilidade ambiental da gestão pública (A3P, compras e consumo sustentáveis)

  • Sistemas de apuração de custos de serviços públicos

  • Arranjos institucionais complexos para gestão de poĺíticas públicas integradas
  • Criação de carreiras de gestão

  • Gestão por competências

  • Políticas de remuneração variável por desempenho

  • Capacitação e formas de acesso aos cargos de dirigentes públicos

  • Sistemas nacionais de conferências de políticas públicas

  • Instâncias participativas na gestão pública (conferências, conselhos etc.)

  • Portais de transparência pública e dados governamentais abertos
  • PPA e gestão por programas e articulacão entre planejamento e orçamento

  • Indicadores de desempenho organizacional
6 ago
2013

ACH3687 – Tendências e Inovações na Gestão Pública – Programa 2013

ACH3687 – Tendências e Inovações na Gestão Pública – Programa 2013

Horários: terças-feiras às 19h

Sala: 231

OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Construir uma visão crítica das tendências e inovações em gestão pública presentes na agenda do setor público brasileiro no período pós-redemocratização.

Estimular a pesquisa pelos alunos, neste campo, inclusive contribuindo para suas pesquisas de TCC.

 

PROGRAMA

Aula 1 – 6/8

Apresentação da disciplina.

Definição de temáticas de trabalho dos grupos

Aula 2 – 13/8

A evolução das inovações na gestão pública no Brasil pós-redemocratização: tendências e significados

Leitura: VAZ (2006). Exercício em sala sobre a leitura.

Aula 3 – 20/8

Um olhar sobre o governo federal: Inovações em gestão pública no Brasil na década de 2000.

Leitura: MORAES (2010). Exercício em sala sobre a leitura.

Aula 4 – 27/8

Debate 1 – tema a definir

Aula 5 – 5/11

Um olhar sobre os governos estaduais: a agenda de reforma da gestão pública nos estados

Leitura: ABRUCIO (2010) – Texto no Xerox. Exercício em sala sobre a leitura.

Aula 6 – 12/11

Debate 2 – tema a definir

Aula 7 – 19/11

Um olhar sobre os governos municipais

Leituras: FARAH (2013). Exercício em sala sobre a leitura.
Leitura complementar: VAZ e CALDAS (2006).

Exercício em sala sobre a leitura.
Aula 8 – 26/11

Debate 3 – tema a definir

Aula 9 – 3/12

Debates  4 e 5– tema a definir

Aula 10 – 10/12

Debates 6 e 7 – tema a definir

Aula 11 – Sábado a definir

Apresentação e debate dos trabalhos de campo

Aula 12 – 17/12

Avaliação final (prova individual com consulta).

Último dia para entrega dos trabalhos finais.

 

AVALIAÇÃO

Prova individual: 30% (não haverá prova substitutiva).

Participação como debatedor(a): 25%

Trabalho de campo: 25%.

Exercícios realizados em sala de aula: 20% (não será aceita entrega posterior).

AULAS-DEBATE

As aulas-debate abrangerão temas relacionados às tendências e inovações da gestão pública brasileira, selecionados conjuntamente pelo professor e pelos alunos. Em cada debate, dois pequenos grupos (duplas ou trios) trarão visões distintas e, se possível, conflitantes, sobre o tema abordado. O professor fará perguntas aos grupos, a partir da bibliografia selecionada previamente, e complementará as informações trazidas pelos grupos.

Tarefas dos alunos:

a)Grupos responsáveis pelo debate: pesquisar bibliografia; preparar seus argumentos para o debate; entregar aos alunos, no início do debate, pequeno roteiro com suas principais posições; ao fim do debate, preparar um pequeno resumo do debate ocorrido, incorporando as discussões, para ser publicado na página da disciplina na internet.

b)Demais alunos: Os demais alunos deverão ler a bibliografia e entregar, por escrito e no início da aula, três perguntas aos debatedores. Além disso, poderão participar do debate, intervindo com suas opiniões e fazendo perguntas.

A participação como debatedor(a) é requisito para aprovação na disciplina.

TRABALHO DE CAMPO

O trabalho de campo consistirá na realização de entrevistas com gestores públicos e especialistas da área sobre as perspectivas da gestão pública no Brasil, sob a ótica da otimização do uso dos recursos, da ampliação do alcance dos serviços públicos e da promoção da participação cidadã e controle social dos governos.

Cada grupo deverá entrevistar um gestor público ou especialista e sistematizar os resultados da entrevista, dialogando com as temáticas abordadas na disciplina.

Na aula 11 os grupos deverão apresentar os resultados de suas entrevistas e, em dinâmica específica, produzirão uma sistematização do conjunto das entrevistas, gerando conclusões sobre o posicionamento dos gestores em relação às temáticas da disciplina.

LEITURAS

As leituras são parte obrigatória e essencial da disciplina. Devem ser feitas antes das aulas, uma vez que haverá exercícios sobre os textos a cada aula (não será aceita entrega posterior). Os textos indicados são o ponto de partida da aula, cuja dinâmica supõe que os alunos leram os textos do dia. Não é papel do professor ler e explicar os textos para os alunos, para que eles não precisem lê-los.

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ABRUCIO, F. Reforma da gestão pública nos estados: avanços e desafios na institucionalização de uma agenda. In CONSAD (Conselho Nacional dos Secretários de Estado da Administração). Avanços e perspectivas da gestão pública nos estadds II. Brasília, CONSAD, 2010.

 

FARAH, Marta Ferreira Santos. Políticas públias e municípios: inovação ou adesão? In: LUKIC, Melina Rocha e TOMAZINI, Carla (org.). As ideias também importam: abordagem cognitiva e politicas publicas no Brasil. Curitiba: Editora Juruá, 2013. p. 171-193.

 

MORAES, M.V.E. Políticas inovadoras em gestão no Brasil. III Congresso CONSAD de Gestão Pública. Brasília, 2010. Disponível em http://migre.me/5q9vb

VAZ, J.C. A delicada disputa pelas cabeças no serviço público brasileiro no Brasil pós-redemocratização. Cadernos ENAP, edição especial, 2006. Disponível em http://www.vaz.blog.br/texto-vaz-enap-jul2006-v4.pdf

VAZ, J.C. e CALDAS, E. l. Desenvolvimento local e políticas territoriais. Anais do EnAPG – Encontro de Administração Pública e Governança da ANPAD. São Paulo, 2006. Disponível em http://vaz.blog.br/blog/?p=2217

 

4 ago
2013

ACH3504 – Logística – Programa 2013

ACH3504 – Logística no Setor Público – Programa 2013
Prof. José Carlos Vaz

Horários: terças-feiras às 8h e 21h

Sala: 223

OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Desenvolver reflexão e apresentar teoria, técnicas e experiências de otimização do nível de serviços prestados à sociedade, como resultado da gestão da dimensão logística das políticas públicas em aspectos como qualidade, atendimento a demandas e custo do nível dos serviços públicos.

PROGRAMA

Bloco A – Conceitos básicos de logística

Neste bloco, exploraremos os conceitos básicos de logística. Tem um caráter formativo básico, e suas leituras serão essenciais para o desenvolvimento do restante da disciplina.

Aula 1 – 6/8

Apresentação da disciplina. Visão geral da logística e sua relação com as políticas públicas.

Aula 2 – 13/8

Evolução do conceito de logística. Conceitos básicos de logística. Logística integrada e a integração da cadeia de suprimentos.

Leitura: BOWERSOX & CLOSS cap. 1 e 2 (haverá exercício em sala sobre a leitura).

Aula 3 – 20/8

Decisões logísticas: posicionamento logístico, desenho de rede e modo de produção.

Leitura: VAZ e LOTTA (2011) (haverá exercício em sala sobre a leitura).

Nesta aula serão definidos os grupos para os trabalhos de campo.

Aula 4 – 27/8

Decisões logísticas: o conceito de trade-off.

Exercício em sala sobre trade-offs logísticos na gestão de políticas públicas (caso da manutenção escolar)

 

Bloco B – Qualidade e nível de serviço no setor público. 

Neste bloco, trataremos dos temas relativos à oferta dos serviços públicos do ponto de vista da identificação de níveis de serviço ótimos, que atendam as demandas dos cidadãos-usuários dentro de patamares aceitáveis de viabilidade econômica.

Aula 5 – 10/9 (Matutino) e 5/11 (Noturno- fundida com aula 6)

Foco no cidadão e qualidade dos serviços

Leituras: VAZ  (2008) e BOWERSOX & CLOSS cap. 3. (haverá exercício em sala sobre a leitura)

Aula 6 – 5/11 (Matutino e Noturno)

Mensuração de desempenho logístico e de nível de serviços: indicadores de desempenho das organizações e políticas públicas.

Leituras: HIJJAR et al. (2005).

Exercício sobre a leitura: indicadores de desempenho logístico

 

Bloco C – A logística das políticas públicas

Neste bloco buscaremos identificar os principais aspectos logísticos da implementação de políticas públicas.

Aula 7 – 12/11

Gestão da cadeia de suprimentos no setor público.

Leitura: TRIDAPALLI, FERNANDES & MACHADO (2011).

Haverá exercício em sala sobre a leitura do texto.

Aula 8 – 19/11

Serviços de apoio e infra-estrutura: o caso do Cadastro de Serviços Terceirizados do Estado de São Paulo.

Leitura: Gestão de Contratos de Serviços Terceirizados no Estado de São Paulo

Serão realizados exercícios em sala sobre o texto acima.

(Nesta aula haverá entrega e discussão de relatórios parciais dos trabalhos de campo).

 

Bloco D – As políticas públicas de base logística

Neste bloco, estudaremos políticas públicas cuja execução consiste na regulação e/ou operação de serviços e infra-estruturas logísticas.

Aula 9 –26/11

Políticas com alto impacto na qualidade de vida urbana: Gestão de Resíduos Sólidos

Clique aqui para se preparar para o exercício.

Aula 10 – 3/12

Políticas com alto impacto na qualidade de vida urbana: Gestão da Mobilidade Urbana

Visite os links abaixo para se preparar para o exercício:

http://www.ruaviva.org.br/mobilidade/index.html

http://mdt-mdt.blogspot.com.br/2012/10/ailton-brasiliense-resgata-historia-do.html

http://mdt-mdt.blogspot.com.br/2012/10/voto-sustentavel.html

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12587.htm

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142011000100007&script=sci_arttext

Aula 10 – 10/12

Políticas com alto impacto no desenvolvimento: energia e transporte de cargas

Clique nos links abaixo para se preparar para o exercício:

Aula 12 – Sábado a definir

Apresentação e debate dos trabalhos de campo

 

Bloco E – Fechamento e avaliação

Aula 13 – 17/12

Avaliação final (prova individual com consulta).

Último dia para entrega dos trabalhos finais.

 

AVALIAÇÃO

Prova individual: 45% (não haverá prova substitutiva).

Trabalho de campo: 25%.

Exercícios realizados em sala de aula: 30% (não será aceita entrega posterior).

TRABALHO DE CAMPO

O objetivo do trabalho de campo é compreender aplicações da logística na gestão e nas políticas públicas, sob a ótica da resolução de problemas.  Cada grupo deverá caracterizar e sistematizar respostas para um dado problema de natureza logística. Cada um dos problemas abaixo ficará a cargo de dois grupos que, ao final, apresentarão e debaterão suas propostas.

Problemas:

Tema 1 – Como é possível integrar serviços e instalações de diferentes organizações públicas, gerando maior alcance das políticas e economia de escala?

Tema 2 – Como implantar uma política de coleta seletiva no município de São Paulo, com elevada cobertura, inclusão social dos catadores e viabilidade econômica?

Tema 3 – Como utilizar as compras da merenda escolar para estimular o desenvolvimento local e a agricultura familiar?

Tema 4 – Como reduzir os problemas e tornar mais conveniente para os cidadãos a distribuição de medicamentos pelo SUS?

Tema 5 – Como melhorar e ampliar a oferta de serviços de transporte aéreo de passageiros e cargas?

Tema 6 – Como reduzir os problemas na distribuição de livros escolares do Programa Nacional do Livro Didático?

LEITURAS

As leituras são parte obrigatória e essencial da disciplina. Devem ser feitas antes das aulas, uma vez que haverá exercícios sobre os textos a cada aula (não será aceita entrega posterior). Os textos indicados são o ponto de partida da aula, cuja dinâmica supõe que os alunos leram os textos do dia. Não é papel do professor ler e explicar os textos para os alunos, para que eles não precisem lê-los. As leituras serão cumulativas, portanto uma dada aula utilizará os textos a ela designados e suporá também que os alunos já leram os textos anteriores. Recomenda-se que os alunos procurem adiantar a leitura dos textos, para não terem surpresas.  O professor não disponibilizará apresentações e esquemas utilizados em aula, pois não substituem a leitura dos textos. Se o aluno tiver preguiça de ler, é melhor desistir do curso e de qualquer outro em que o ensino superior seja levado a sério.

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BOWERSOX, D.J. e CLOSS, D., COOPER, M. Gestão da cadeia de suprimentos e logística . S. Paulo, Campus, 2007.

HIJJAR, M. F. et alli. Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics In Artigos CEL-COPPEAD-UFRJ. Disponível em http://www.ilos.com.br/web/index.php?option=com_content&task=view&id=1112&Itemid=74&lang=br (parte 1) e http://www.ilos.com.br/web/index.php?option=com_content&task=view&id=1113&Itemid=74&lang=br (parte 2). (Atenção: fazer o download da parte 1 e parte 2). 2005.

TRIDAPALLI, J., FERNANDES, E. & MACHADO, W. Gestão da cadeia de suprimento do setor público: uma alternativa para controle de gastos correntes no Brasil . In RAP – Revista de Administração Pública, Vol. 45(2):401-33, mar./abr. 2011. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rap/v45n2/06.pdf

VAZ, J.C. e LOTTA, G.S. A contribuição da logística integrada às decisões de gestão das políticas públicas no Brasil. RAP – Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro 45(1):107-39, jan./fev. 2011 . Disponível em: http://vaz.blog.br/blog/?p=975.

VAZ, J.C. O significado da prestação de serviços com foco no cidadão nas transformações da administração pública brasileira no período pós-redemocratização. Disponível em: http://josecarlosvaz.pbworks.com/w/page/8531978/Foco%20no%20Cidad%C3%A3o%20nas%20Pol%C3%ADticas%20P%C3%BAblicas. 2008.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BLYTE, D.M. and MARSON, D. B. Good practices incitizen – centred service.Otawwa: Canadian Centre for Management Development, 1999.

FRAZELLE, E. Supply chain strategy: the logistics of supply chain management. McGraw Hill, 2001.

MENTZER, J. T. et alli. Defining supply chain management In Journal of Business Logistics, Vol. 22, No. 2, 2001.

MOORE, M. H. Criando valor público: gestão estratégica no governo. Brasília, ENAP, 2002.

NOVAES, A. G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. Rio de Janeiro, Campus, 2001.

ZEITHALM, V. PARASURAMAN, A e BERRY, L. Delivering quality service. New York: Free Press, 1990.

 

 

4 ago
2013

Brasília, Contradições de uma Cidade Nova (1967)

Documentário de Joaquim Pedro de Andrade, sobre Brasília, em 1967.

http://www.youtube.com/watch?v=3fwJxf6l2Q8

13 jul
2013

I Workshop de Transparência em Sistemas (I WTranS)

Estão abertas as inscrições para o I Workshop de Transparência em Sistemas (I WTranS), que acontecerá no dia 29/09/2013, em um dos principais eventos da Sociedade Brasileira de Computação, o CBSoft (Congresso Brasileiro de Software: Teoria e Prática).

O objetivo desse workshop é procurar agregar diferentes pesquisadores, em uma perspectiva interdisciplinar, com interesse tanto em Ciência da Computação, como em outras áreas, no sentido de discutir como tratar os  desafios colocados pelas crescentes demandas por transparência mediada eletronicamente, para nortear a criação de tecnologias que deem efetivo apoio na evolução de sistemas na direção da transparência.

O workshop é uma excelente oportunidade para discutir essa agenda de pesquisa, apresentar projetos em andamento e articular pesquisadores das distintas áreas com interesse no tema.

O evento tem como organizadores Julio Cesar Sampaio do Prado Leite, André Luiz de Castro Leal e Marília Guterres Ferreira, da PUC-Rio.  Faço parte do Comitêe do evento.

Para mais informações, veja a página do workshop.

 

 

 

Follow Me!

Follow Me! Follow Me! Follow Me! Follow Me!